Deste o início da década de 1990, Teresa Viana (Rio de Janeiro, Brasil, 1960) vem explorando os limites da pintura no seu processo e na sua materialidade. Embora seu meio principal seja a pintura, sua prática pede outras mídias, como desenhos sobre papel e digitais, colagens e site specifics instalações.

Suas pinturas e instalações são caracterizadas por sua tridimensionalidade escultórica em cores fortes e vibrantes que extrapolam a superfície pictórica. Com elas a artista busca materializar pensamentos táteis, introduzindo elementos sinestésicos – físicos e visuais, com camadas espessas de cores com a técnica da encáustica fria desenvolvida ao longo dos anos junto com a sua poética pictórica.

Sua prática investiga a pintura como uma linguagem através da qual é possível expandir a experiência do pensamento, tendo como objeto de sua pesquisa uma profusão de intensas sensações sinestésicas que se organizam como “pensamento tátil”.

Desde 2017, integrou a feltragem de lã em meu trabalho, uma técnica que tem sido usada pelos povos nômades da Ásia desde os primórdios dos tempos. Assim resgata um modus operandi ancestral (um modo de existência) ligado a outro espaço-tempo para questionar os processos perceptuais na contemporaneidade.

Teresa estudou na Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, no Rio de Janeiro, e mudou-se para São Paulo em 1992, onde vive até hoje. A artista ganhou a bolsa pesquisa da Pollock-Krasner Foudation em 2018 e 2001, e fez a residência artística no International Studio & Curatorial Program (ISCP), em Nova York em 2019. Ela expõe seu trabalho em museus, instituições de arte e galerias no circuito de arte contemporânea, como mostra o CV.

Entre as exposições individuais que fez destaca-se: Centro Cultural São Paulo, Brasil (2015/16); Pinturas, no Museu de Arte de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil (2012); Pinturas e Imagens Digitais, na Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil (2009); Pinturas, no Espaço Cultural Sergio Porto, Rio de Janeiro, e Pintura Expandida, no Paço das Artes de São Paulo, Brasil (2005); Colagem, no Centro Universitário Maria Antonia da USP, São Paulo, Brasil (2002); Pinturas, na Galeria Baró-Senna, em São Paulo, Brasil (2001).

Entre as exposições coletivas que fez destaca-se: Spring Open Studio do ISCP. International Studio &Curatorial Program (ISCP), NY, USA (2019); Another Gesture / Eine Weitere Geste / Um Outro Gesto, A.I.R. Gallery, NY, USA; O MAC USP no Século XXI: A Era dos Artistas, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (2017); Library of Love, no Cincinnati Contemporary Art Center, OH, USA (2017); O Estado da Arte, Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, SP (2016/2017); Elas: Mulheres Artistas no Acervo do MAB, Museu de Arte Brasileira, Fundação Armando Álvares Penteado, SP (2016); Panorama de Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo, MAM-SP (1999), MAC Niterói, Rio de Janeiro, MAC Ceará,, e MAM Recife, Pernambuco, (2000); Pintura Anos 90, MAM-SP, (2000); 9º Festival Estudio Abierto, Festival de Arte y Cultura Contemporánea, Buenos Aires, (2006); II Bienal Ceará de Gravura Contemporânea Brasileira, MAC-CE, (2006); Pintura Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, Museu de Arte do Espírito Santo Dionísio Del Santo, Vitória (2007); entre outras.

A artista possui obras nas coleções do Contemporary Art Center Cincinnati, USA; Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, São Paulo; Museu de Arte Brasileira, Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo; Coleção de Arte da Cidade (Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo); Museu de Arte Moderna de São Paulo; Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo;  Museu de Arte Contemporânea do Paraná;  Museu de Arte de Pelotas, Rio Grande do Sul, e Museu de Arte Contemporânea do Ceará.

From the beginning of the 1990s, Teresa Viana (Rio de Janeiro, Brazil, 1960) explores the limits of painting in its process and its materiality. Although her main medium is painting, her practice asks for other mediums too, like drawings on paper and digital, collages, and site-specific installations, to experiment the various ways of organizing her visual thinking. 

Her painting and installations are characterized by sculptural tri-dimensionality in strong and vibrant colors that extrapolate the pictorial surface. With them, the artist seeks to materialize tactile thoughts, introducing synesthetic elements - physical and visual, by using layers of thick colors with the cold encaustic technique developed over the years along with her pictorial poetics.

Her practice investigates painting as a language through which it is possible to expand the experience of thought, having as the object of her research a profusion of intense synesthetic sensations that organize themselves as “tactile thought”.

Since 2017, she incorporated wool felting into her work, a technique that has been used by the nomadic peoples of Asia since the dawn of times. Thus she redeem an ancestral modus operandi (a mode of existence) connected to another space-time to question the perceptual processes in the contemporaneity.

Teresa studied at the Escola de Artes Visuais do Parque Lage, in Rio de Janeiro and moved to São Paulo in 1992, where she still lives today. The artist won the grant from Pollock-Krasner Foundation in 2018 and 2001, and made the artistic residency at International Studio & Curatorial Program (ISCP), in Nova York, in 2019.  She exhibits her work in museums, art institutions and galleries on contemporary art circuit, as shown in the CV.

Among the individual exhibitions she has made, stand out: Centro Cultural São Paulo, Brasil (2015/16); Museu de Arte de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil (2012); Pinturas e Imagens Digitais [Paintings and Digital Images], Galeria Virgílio, São Paulo, Brasil (2009); Pinturas [Paintings], Espaço Cultural Sergio Porto, Rio de Janeiro, e Pintura Expandida [Expanded Painting], Paço das Artes de São Paulo, Brasil (2005); Colagem [Colage], Centro Universitário Maria Antonia da USP, São Paulo, Brasil (2002); Pinturas [Paintings], Galeria Baró-Senna, São Paulo, Brasil (2001).

Among the collective exhibitions she has made, stand out: Spring Open Studio do ISCP. International Studio &Curatorial Program (ISCP), NY, USA (2019); Another Gesture / Eine Weitere Geste / Um Outro Gesto, A.I.R. Gallery, NY, USA (2017); O MAC USP no Século XXI: A Era dos Artistas [The MAC USP in the 21st Century: The Age of Artists], Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (2017); Library of Love, no Cincinnati Contemporary Art Center, OH, USA (2017); O Estado da Arte [The State of The Art], Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, SP (2016/2017); Elas: Mulheres Artistas no Acervo do MAB [They: Women Artists in the MAB Collection]. Museu de Arte Brasileira, Fundação Armando Álvares Penteado, SP (2019/2016); Panorama de Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo [Panorama of Brazilian Art of the São Paulo Museum of Modern Art], MAM SP (1999), MAC Niterói, RJ MAC Ceará, CE e MAM Recife, PE (2000); Pintura Anos 90 [90's Painting], MAM SP, (2000); 9º Festival Estudio Abierto, Festival de Arte y Cultura Contemporánea [9th Open Studio Festival, Festival of Contemporary Art and Culture], Buenos Aires, (2006); II Bienal Ceará de Gravura Contemporânea Brasileira [II Ceará Biennial of Contemporary Brazilian Engraving], (2006); Pintura Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo [Brazilian Painting in the Collection of the São Paulo Museum of Modern Art], Museu de Arte do Espírito Santo Dionísio Del Santo, Vitória (2007); entre outras.

The artist has works in the collections of Contemporary Art Center Cincinnati, USA; Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, São Paulo; Museu de Arte Brasileira, Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo; Coleção de Arte da Cidade (Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo); Museu de Arte Moderna de São Paulo; Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo; Museu de Arte Contemporânea do Paraná;  Museu de Arte de Pelotas, Rio Grande do Sul e Museu de Arte Contemporânea do Ceara.